Filtrar

    Fazenda Santa Monica

    Fazenda Santa Monica
    Brasil

    Registros

    Frente da casa

    Sala de entrada

    Sala de visita

    Sala dos hospedes                                       Sala da Imperatriz

    Toilette da imperatriz                                    Toilette da imperador

     

     Interior da igreja

     

    Conjunto de 10 registros estereoscópicos, por Marc Ferrez,

    Arquivo Nacional

     

    Nota:

    Registro da casa sede da fazenda Santa Mônica, em Valença, da prestigiada família Nogueira da Gama, e a igreja Nossa Senhora do Patrocínio,em Desengano, cercania de Valença. 

    As fotografias foram realizadas por ocasião da inauguração festiva da igreja, a 14 de fevereiro de 1881, com a presença do imperador, a convite de Francisco Nicolau Carneiro Nogueira da Gama (1832 – 1885), futuro barão de Santa Monica. 

    A planta do edificio religioso é atribuida ao então já falecido coronel Lima e Silva, e obras  executadas por Cassiano Irene de Souza, talentoso pedreiro (Gazeta Notícias 15 jan 1881).

    A fazenda recebeu por diversas vezes a visita de D. Pedro II, em  1848, 1865, 1876 e 1881, seja pelos laços de amizade entre os Nogueira da Gama e o imperador, como por sua posição privilegiada no percurso para as regiões do Vale do Paraíba Fluminense.

    A propriedade foi fundada por Manoel Jacinto Nogueira da Gama (1765–1847), futuro Marquês de Baependi, em sesmaria doada por d. João VI. Em sucessão, foi gerenciada por sua viúva, Dona Francisca Mônica Carneiro da Costa e Gama, (1795–1869) com quem teve tres  filhos: Brás Carneiro Nogueira da Costa e Gama (conde de Baependi), Manuel Jacinto Carneiro da Costa e Gama (barão de Juparanã) e Francisco Nicolau Carneiro Nogueira da Costa e Gama (barão com honras de grandeza de Santa Mônica), casado com a prima D. Luísa do Loreto Carneiro Viana de Lima e Silva (1833-1902), filha do duque de Caxias.

    O Duque de Caxias, se abrigou na fazenda nos últimos anos de sua vida, onde viria a falecer a 7 de maio de 1880.

    Edifício de grandes dimensões, a casa possui planta em formato de “U” de dois pavimentos que formam um pátio aberto, com os serviços no térreo e, no sobrado, estão as salas de estar, receber, música, jantar, escritório e quartos para hospedagem. Observa-se nos registros fotográficos da sala de visita, os retratos pintados da duquesa de Caxias e dos marqueses de Baependi, como os retratos dos imperadores na sala destinada à imperatriz. Ainda que de muito alterada, foi tombada pelo Iphan no Livro Histórico com a Inscrição: 444, datada de 17 de dezembro de 1973, Processo no. 0881-T-73.

    Marc Ferrez (1843 - 1923)  é um dos mais expressivos fotógrafos do período, e realizou vários registros das atividades da família imperial. Curiosamente, a moldura das imagens dessa coleção traz antigo endereço que o fotógrafo ocupou, rua São Jose 96, entre1865 e 1873, quando um incêndio destruiu suas instalações.

     

    Bibliografia:

    Gazeta Notícias 15 jan 1881

    INEPAC. Fazenda Santa Mônica.Inventário das Fazendas do Vale do Paraíba Fluminense.

    GARRO, Jorge.A restauração de uma fazenda e as distâncias da sustentabilidade. PROURB/-UFRJ

     

    Observação:

    Pesquisa e edição: Ana Pessoa (FCRB), Louhana Rosa Dias de Oliveira ( PIC/FCRB,) e Sávia Pontes Paz (FAPERJ), 2020

    Colaboração: Almir Paredes, Roberto Moraes e Pedro Vasquez

    Ver Fazenda Santa Mônica

     

    ttt
    PTCD/EAT-HAT/11229/2009

    Please publish modules in offcanvas position.