spacer
Filter

    Câmara

    Câmara

    CÂMARA - (Do latim camera). Na Idade Média o termo câmara tinha um significado mais amplo indiciando a um compartimento importante da casa com funções múltiplas. O sentido alargado do termo explica que os primeiros documentos sobre as reuniões do Conselho da Cidade de Lisboa refiram o lugar como “câmara do Paaço do Concelhoi, o que mais tarde virá a significar a própria instituição. Com o mesmo sentido, D. João I, em 1398, doa a Martim Afonso de Melo, seu guarda-mor “a torre da cerca velha para fazer câmaras ou outros edifíciosii.

    Nos finais da Idade Média a câmara começa a ganhar uma função mais específica como lugar de dormir numa complexificação dos interiores das elites, onde passa a articular-se com a antecâmara que a precede e a guarda roupa ( transcâmara) que lhe seguia. Encontramos este esquema no Regimento da Casa de D. Afonso V, onde o texto faz menção, no paço real, à sequência da salla, antecâmara, câmara de dormir e guarda-roupaiii. Embora como espaço de dormir a câmara mantém funções de receber, embora de carácter mais privado, como descreve D. Duarte I no seu livro O Leal Conselheiro onde o autor coloca a câmara na sequência da sala e da antecâmara descrevendo-a: “, câmara de dormyr, que os mayores e mais chegados de casa devem aver entrada.”iv. Ao longo dos séculos XVI e XVII a câmara mantém funções de dormir associadas com estar e receber em privado.

    No inícios do século XVIII, Bluteau no seu Vovabulário define câmara como “a casa em que se dorme”. v. Como variante, Bluteau também define a câmara como: “as casas e o tribunal em que o Presidente, vereadores & outros, se juntão para tratar dos negócios concernentes ao bem público de hua cidade”.

    A partir do século XIX o termo câmara entra em declínio sendo substituída progressivamente pela designação de quarto de dormir, ou simplesmente quarto.

     

     

    Referências documentais

     1290 – “ … e cõ seu alpender e cõ sãs duas câmaras e com a casa da cozinha e cõ as cortes”. Documento de partilhas de paço de D. Maria Rodrigues vi.

    1313 - “huu sotoom do canto darregueyra em q ora mora Gonçalo Eanes e o sobrado de cima e a câmara de dentro do beco”. (Carta de doação e emprazamento por Soeiro Paisvii.

    1377 (c.) - “…e elIes o levaram pera huma Camara, e trouveromlhes logo muy prestesmente vinho, e fruita, e bebeo o Conde com elIes, e todolos outros CavalIeiros, e Gentishomens, e esto assi acabado partio-se” Jornada do Marquês de Valença a Itália .viii

    1398 - “ torre da cerca velha que está dentro das suas casas para nela fazer camâras ou outros edifícios” Doação de D. João I ao seu Guarda-Mor, Martim Afonso de Melo, de uma torre da cerca velha ix.

    1438 - "Terceira, câmara de dormyr, que os mayores e mais chegados de casa devem aver entrada. virtuosos cuidados." Descrição de um paço por D. Duarte I, no livro Leal Conselheirox.

    XVI (finais do séc.) - “Varanda- Salla -Antecâmara – Câmara -Guarda-roupa - Casa do guarda-roupa – Tribuna- Casas de famliares – Dedespacho -Sciptorium –Banho”. Legenda da Planta do Palácio dos Duques de Bragança, em Lisboa.xi

    XVII (finais) “…a Camara toda alcatifada com duas alcatifas e armada de panos de Raz, cama de tella riqua, e franjões de oiro e assim as sanefas das portas e ginellas e tamboretes e cortinas de damasco e dois espelhos e dois bufetes doirados”. Descrição do interior do Palácio dos Condes de Povolida, em Lisboaxii.

    1750 c. “nesta se seguia a camara em que dormio o embaixador em huma cama rica com cadeiras de braços e sanefas irmans”. Descrição do interior do Palácio da Mitra, em Lisboa xiii

    Hélder Carita (2014)

     

     

    i ARQUIVO da CML, Livro II de Místicos, fl,13,

    ii BEIRANTE, Maria Ângela Rocha, Évora na Idade Média, Lisboa, FCG, 1995, p.48

    iii ORDENAÇÕES Afonsinas , Livº I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Título LVIII, 1984, pp. 337-340.

    iv D. DUARTE - Leal Conselheiro, (ed. crítica e anotada por J. M. Piel), Lisboa, Lvrª Bertrand, 1942, p.303, (sublinhado nosso).

    v BLUTEAU, Rafael, Vocabulário Portuguez e Latino…, Coimbra, Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712, vol.II, p.68

    vi FREIRE, Anselmo Brancaamp - “A Honra de Resende”, in Archivo Histórico Português., vol. IV, Lisboa, 1906, pp.39-40.

    vii DOCUMENTOS da Biblioteca Nacional Relativos a Lisboa ( séc. XIII a XV ). Lisboa, 1º série, Ed. BNP., 1935. , vol, p.56, (Doc. II, ano de 1313).

    viii SCARLATTI, Lita – Os Homens de Alfarrobeira, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1980. ( Carta de Pedro de Sousa, senhor do Prado … sobre a Jornada do Marquez de Valença a Itália).

    ix BEIRANTE, Maria Ângela – Évora na Idade Média, Lisboa, FCG-JNICT, 1995., pp.48

    x D. DUARTE - Leal Conselheiro, (ed. crítica e anotada por J. M. Piel), Lisboa, Lvrª Bertrand, 1942, p.303, (sublinhado nosso).

    xi Biblioteca Nacional de Portugal – Iconografia - D. 624.

    xii IAN/TT , Arquivo da Casa dos Condes de Povolide, Memórias do 1º conde de Povolide, vol. I nª 13, fls. 112-112v

    xiii CÂMARA, Maria Alexandra Gago da, “Cerimonial por Ocasião da presença do Conde de Bachi, na Corte de D. José I”, Revista de Artes Decorativas, Porto, nº3, p.347

    ttt
    PTCD/EAT-HAT/11229/2009

    Please publish modules in offcanvas position.